Como você joga Squash é o que você consegue controlar

O ano de 2020 foi muito desafiante. Muitas mudanças repentinas ocorreram a partir do mês de março. O nosso querido esporte sofreu um impacto grande, seja pelo cancelamento de diversos torneios profissionais, bem como os amadores em nível local. Uma importante lição do ocorrido é que não temos controle sobre tudo na vida. Eventos imprevisíveis podem alterar o curso natural das coisas. Trazendo isso para  contexto do nosso esporte, o argumento central desse texto é que, dentre tantas variáveis envolvidas nele, o que está mais ao controle é como você joga Squash.

Bom, primeiro cabe dizer que esse é um pensamento retirado da corrente filosófica do estoicismo. Ou seja, dentre outras coisas, os estoicos acreditavam na importância de focar naquilo que está sobre nosso controle, deixando de lado todo o resto. Apenas assim seria possível alcançar a felicidade e a excelência na vida. Logo, ao conseguir determinar o que está e o que não está sobre nosso controle, nós conseguimos tomar melhores decisões, se livrar daquilo que nos irrita e focar em melhorar nosso desempenho.

Mas e o que isso tem a ver com nosso esporte?

Vamos tentar colocar em contexto. Quando entramos em quadra, diversos elementos externos a nós podem contribuir para nosso desempenho. Nervosismo, ansiedade, condições da quadra, torcida, árbitro, pressão social, dentre outros, são alguns deles. Todavia, algo fundamental está sobre controle. Isto é, como você joga Squash. Parece simples, mas focar nisso nem sempre é o alvo no nosso treinamento ou na intenção ao praticar o esporte.

Por vezes, parece mais importante o julgamento que vamos receber dos amigos no clube, do treinador, da imagem que queremos projetar, matar o ponto ou concentrar nos nossos erros dentro de quadra. Mas você já parou para pensar que, independente da sua vontade, de uma forma ou de outra, isso vai ocorrer? Por isso, é importante tentar reorientar qual é sua missão ao praticar o Squash. Afinal, como é intenção deixar claro aqui, como você joga Squash é que vai ajudar no seu desempenho.

Dizendo em outras palavras, você já parou para pensar sobre como joga? Ou seja, qual seu foco ao jogar Squash? Apenas se divertir ou buscar uma atividade física? Ser o campeão dos campeões nos torneios amadores locais e, quem sabe, nacionais? Independente da sua resposta, você precisa parar em algum momento para refletir sobre o que está fazendo dentro de quadra e o que deseja aperfeiçoar.

Como você joga Squash?

Você já deve estar careca de saber que cada pessoa tem um estilo de jogo. Ou seja, tem um amigo que gosta de matar o ponto na primeira oportunidade, outro que gosta de trocar paralela, outro que gosta de bater na bola como se a raquete fosse um martelo e por aí vai. Não por acaso, existem diversas anedotas referentes aos tipos de jogadores. Brincadeiras a parte, existe uma constante discussão sobre como encontrar um equilíbrio na forma de jogar.

Para tentar exemplificar e tentar responder a pergunta do tópico, vou relatar um pouco da minha jornada de pangaré, que luta para melhorar alguns elementos técnicos ao jogar. Sim, sou daqueles que veem o Squash como se fosse uma arte. Isto é, que se vislumbra com partidas e jogadas da mais pura precisão. Não sou adepto da potência, mas do controle. Isso, por si só, já dá um indicativo do que tento priorizar ao jogar.

Claro que isso tem seu preço. Tenho que admitir que sou muito cobrado para bater mais forte na bola. Não nego que está nos planos tentar desenvolver mais esse lado. Todavia, eu acredito no famoso slogan de uma marca de pneus: potência não é nada sem controle. Por isso, se teve algo que tentei priorizar e que é, em certa medida, minha obsessão, é melhorar minha técnica e a precisão das minhas jogadas, nem que eu pague o preço de derrotas em quadra nesse processo.

Treino solo

Para mim, com a intenção mencionada, nada funcionou melhor até hoje do que ter alguma disciplina para fazer rotinas de treino solo, e 2020 foi um ano particularmente interessante nesse sentido. Acredito que pela primeira vez na vida de squashista, realmente parei para tentar perceber e melhorar a mecânica do jogo. Admito que não sou lá o mais rigoroso com treinamento ou planilhas para acompanhamento. Todavia, dicas simples e muito efetivas podem ser encontradas na internet ou com os professores locais.

Aqui vou recomendar o canal Na Lata no Youtube, que tem diversos vídeos interessantes sobre nosso esporte. Em particular, alguns vídeos merecem destaque, como o que coloco a seguir.

Mas, você deve estar se perguntando se vale realmente a pena isso? Não é muito chato treinar sozinho? Bom, volto a pergunta novamente: como você joga Squash? Ou, reorientando, qual seu objetivo com a prática do nosso esporte? Para mim, é extremamente recompensador terminar uma partida com a sensação de que joguei o meu melhor, independente de ganhar ou perder.

Curiosidade

Acredite, certa vez, mesmo perdendo um game de 11×2, tive a percepção que, naquele momento, tinha feito um dos meus melhores jogos tecnicamente falando. Fiz tudo que estava ao meu controle e ao meu nível de habilidade. Porém, não há como controlar o mérito do adversário, mais preciso e competente no jogo. Aqui aparece o mote para voltar ao assunto inicial do texto. São nessas ocasiões que percebemos que não podemos controlar tudo, mas temos como controlar como jogamos. Se vitória ou derrota, aí é o desdobramento natural do esporte.

Nessa oportunidade, ficou claro que meu desempenho está intimamente ligado à forma com que eu jogo, e isso eu tenho como controlar e aprimorar. Pode até ser uma forma simplificada de enxergar o quadro geral envolvido no esporte. Apesar disso, eu realmente acredito que ajuda a focar em algo mais tangível e menos emocional. Ou seja, chama a responsabilidade para si e não buscar culpados ou desculpas. Se treinar sozinho me ajuda nisso, então é algo que vai ter espaço na minha agenda.

Dicas finais e conclusão

Para finalizar, é bom ressaltar que esse texto não é de um jogador acostumado com títulos e troféus, mas, sim, de quem luta para melhorar a técnica. Logo, outras estratégias também podem ser bastante proveitosas para se incluir no repertório do Squash. Particularmente, acredito que soluções simples tendem a ser efetivas. Por isso, vou listar aqui duas que também considero extremamente úteis se aplicadas juntamente com o treino solo ou com orientação adequada de um professor. São elas, ambas com vídeo explicativo:

  • O modelo do ovo frito, em que você direciona a escolha de jogadas a depender da sua posição e da jogada do adversário e;
  • O papel da parede frontal, que direciona sua estratégia de jogadas de acordo com a divisão em zonas-alvo de defesa, desenvolvimento e ataque durante o jogo.

Bom, se você concorda, discorda ou gostaria de acrescentar algo, compartilha aí nos comentários ou nas nossas postagens!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui

CONTEÚDO DO BLOG

428FãsCurtir
721SeguidoresSeguir
120SeguidoresSeguir
269InscritosInscrever

Curtinha do squashistas

Receba mensalmente atualizações no seu email.